"Nasci em nove de novembro de 2005, no meio da manhã de uma quarta-feira. Quem escreve aqui por mim é a minha mãe, por enquanto, que achou legal eu contar o que eu estou sentindo, vendo, descobrindo, inclusive desde um pouco antes de eu estrear neste mundão"

25 de mai de 2010

Engraçado aquela frase..ser mãe é padecer no paraíso!

Desde pequena, achava muito estranha aquela frase: “Ser mãe é padecer no paraíso”!. E essa palavra “padecer” sempre me intrigou e sempre achei muito feia. Sempre sonhei e imaginei como seria minha vida como mãe. Um dia, o momento chegou. Quando descobri que estava gravida t”, tudo mudou completamente na minha vida. Foi um divisor de águas. Minha vida antes e depois de ser mãe. Toda a luta, todo o esforço, toda a vontade de viver bem e fazer desse mundo um lugar melhor. O sentido da vida se tornou claro pra mim naquele momento. E agora, estou aqui padecendo no paraíso, com meu “anjinho


Somente quando nos tornamos mães, aprendemos a amar incondicionalmente. Quando me tornei mãe, enxerguei minha mãe com outros olhos e percebi quantas mães existiam dentro dela. Percebi que ela tem um currículo de causar inveja a muita mulher com MBA, apesar de ter concluído o segundo grau com supletivo. Minha mãe sempre foi uma ótima psicóloga, descobria com o olhar se algo ia errado em nossas vidas. Era também excelente enfermeira, especializada em curar joelhos ralados. Advogada de primeira, sempre pronta a defender suas crias. Educadora sempre. Diplomata com grande sabedoria, sempre resolvia pacificamente meus conflitos com minha irmã. Médica honrada sabia qual o melhor remédio para nossas dores, mesmo sendo apenas dores da alma. Ela também era uma fantástica decoradora, sempre tinha um lugar especial para pendurar os quadrinhos que pintávamos na escola, as esculturas de argila, meio sem forma, que trazíamos orgulhosos da aula de educação artística. Sem falar nas toneladas de desenhos, arquivados. Mais recentemente descobri que é uma ótima Publicitária, adora fazer propaganda das filhas. Sem contar nas suas outras acumuladas funções: cozinheira, lavadeira, passadeira, etc.

Hoje me pego nas mesmas funções, exercendo os mesmos papéis. Deixando meu instinto de mãe falar mais alto. Hoje descobri que só aprendemos a ser filhos quando nos tornamos pais. Hoje meu currículo também começa a se tornar invejável. Mãe: período integral. Independente do que faço, meu trabalho, meu estudo, meu lazer, nada substitui o prazer, o privilégio e a maior função que podemos acumular: Ser mãe!

Ser mãe é ter que ver histórinhas em vez das novelas em um,e ter que levantar em um domingo bem cedo pra levar o filho pra um jogo de futebol ,ter que cumprir com o que prometeu, SER MÃE e um privilégio de Deus, é amar sem precisar dizer, é amar sem querer nada em troca.
         Ser mãe...é tudo isso...
Ser mãe, é algo divino sem explicação, é um sentimento muito lindo que nos invade sem limites, um sentimento eterno que nos faz virar uma protetora incondicional.
É você amar alguém intensamente, mesmo sem ter visto o rostinho ou ter tocado nesse serzinho que você carrega em seu ventre e que ainda não lhe foi apresentado, mas que você já tem grande amor por ele.
Ser mãe, é você esperar nove meses por uma pessoinha, com a certeza que ela veio parta te fazer muito, muito feliz. É você vibrar há cada sorriso, há cada gesto novo que essa pessoinha virá a fazer, que para você será um momento mágico, será uma vitória para ele e para você, pois você fez parte desse instante.
Ser mãe, é você ficar admirando o sono de seu filho(a) e imaginando como será o seu futuro, e com os olhos cheio de lágrimas, você reza nesse momento para que tudo de certo em sua vida, e você sabe que essa pessoinha nem sempre vai poder estar bem protegida nos teus braços, por que em algum momento de sua vida ele terá que seguir sua vida e aprender a andar com suas próprias pernas.
Em fim! Ser mãe, é agradecer há Deus todos os dias, por ele ter dado a nós o dom divino de gerarmos o ser que nos fará a pessoa mais feliz do mundo e nós transformar nessa pessoa maravilhosa que é “mãe” palavra tão pequena com significado infinito.

E eu agradeço por tudo isso,todos os dias da minha vida!

21 de mai de 2010

Mãe é um bicho esquisito....

Já estou na fase de começar a ficar órfã do filho. A cada independência conquistada pelo pequeno, já dá uma saudade da dependência que ele tinha de mim… Mãe é um bicho difícil de se entender mesmo.

Primeiro, a gente fica torcendo pra que eles fiquem mais independentes logo:pra que a gente possa dormir melhor (seis horas seguidas de sono é uma alegria…), pra que a gente possa tomar banho descansada (e não mais em 5 minutos) ou para retomar as tão prazerosas práticas de lazer (mesmo que em frequência bem mor)…
E, num piscar de olhos, chegou a hora.
Primeiro, ele declara a independência na hora de ir ao banheiro sozinho…
- Não precisa de nenhuma ajudinha, aí? - tenta a mãe.
- Não, eu consigo sozinho - é a resposta.Depois, chega a hora de escovar os dentes sozinho.
- Mas, mãe, eu já aprendi na escola como é com as tias de branco… Não precisa mais ninguém me mostrar.
Um pouco mais adiante e chega a hora da independência na hora de tomar banho ou de trocar a roupa… E não escapamos das surpresas…

- Pedro, tu colocou a cueca virada hoje… - comentei dias desses, ao flagrá-lo tirando a calça hoje.
Rimos muito juntos, e ele disse:
- Botei tão rápido que nem vi, mãe…
Ele ainda não fez 5 anos, e já estou com saudade do meu bebê… Mas não dá pra reclamar, e só confesso isso aqui porque ele não lê o blog ainda…
Apesar de comemorar intensamente cada conquista do meu guri - e incentivar cada uma delas, uma saudade me toma…
Saudade da época em que ele dependia totalmente de mim pra tudo… e dos tempos em que eu podia protegê-lo de tudo e de todos dentro de mim…
Mãe é um bicho esquisito mesmo. O meu consolo é que não estou só.

16 de mai de 2010

O QUE SÃO MENINOS?

.meninos existem de todos os tamanhos, pesos, cores.

.para todo lado que se olhe, lá estão eles.

.empinando pipas, correndo atrás de bolas.
.caçoando das meninas.
.sujando roupas.


.meninos amam...
.doces.
.histórias em quadrinhos.
.super heróis.
.água. (exceto a do banho)
.carrinhos, trens e aviões.


.meninos detestam...


.livros sem figuras.
.musicas que não se dança.
.silêncio.
.hora de dormir.
.as mães os adoram.
.as irmãs tem ciúme.
o céu os protege.
.meninos são a verdade de cara suja
.a sabedoria com os cabelos desgrenhados.
.a esperança estampada.
.a energia renovada.
. a curiosidade aflorada.
. a simplicidade escancarada.



.meninos são únicos.
. na arte da descoberta.
.no poder da criatividade..nas asas da imaginação.

.um cordão vira brinquedo.
.uma caixa de papelão um carro.
.uma moeda um tesouro.
.meninos são criaturas mágicas.
.você pode deixá-los no quarto.
. mas eles jamais te deixam.
.você pode pedir silencio.
. mas um riso vai invadir.
Meu menino é assim...
...seu sorriso franco e sua incrível capacidade de amar...
... simplesmente alimenta minha vida.

DE QUE MATÉRIA SÃO FEITAS AS MÃES?


o universo materno é muito mais amplo do que a definição de colocar um filho no mundo.

.para ser mãe, é necessário a consciência de que sua vida estará para sempre ligada a outra... por um cordão muito mais subsistente que o umbilical...
... pelo cordão da vida...
.assim, ser mãe, é a busca constante de ser melhor, semeando nos filhos, algo vivo, verdadeiro.
.valores, princípios, caráter...
.coisas muitas vezes impalpável.
.muito além de palavras.
.ser mãe é deixar os melhores rastros, na certeza de que eles não apenas serão seguidos, mas por vezes imitados.
.ser mãe, é descobrir nos filhos, características suas, que sequer havíamos dado conta.
. é o exemplo vigiado, pois filhos, lêem muito além das linhas, percebem nossas entrelinhas, através de nossos atos.
.ser mãe, é persistência, dia a dia... com sol ou chuva.
.é ser feliz, ainda que haja medo.
.é sorrir, mesmo que haja dificuldade.
.é levantar e embalar, ainda que o cansaço mental seja muito maior que o físico.
é ser feliz apesar dos pesares.
.é viver um sonho real, e como toda realidade, cheia de vírgulas.
.é ver nos filhos, pedaços da gente, reflexos de atos, espelho de atitudes, e ainda assim, um ser absolutamente diferente, único em sua essência.
.é assistir admirada, estes pequeninos seres terem pensamentos e idéias próprias, e aprender a conviver com elas.
.é saber não apenas que andam pelas próprias pernas, mas que andam muito bem.
.assim sou eu,                                                                          feliz...na dedicação diuturna de construir um futuro melhor, no hoje, vivendo o instante, pois, nada adianta querer construir um futuro esquecendo-se do agora!

15 de mai de 2010

         Assumo: Sou uma mãe babona...


Adoro o meu filho.
Ele é a minha vida.
É quem mais amo nesta vida.
A ele entrego o meu coração, os meus sentimentos.
Assumo: A ele e só a ele entrego o meu coração.
Assumo, que sinto a falta dele quando não está perto de mim.
Assumo que me sinto perdido, sem a sua âncora, o seu sorriso, os seus beijos que me fazem tremer.
Ele é uma criança que me faz rir e chorar.
Dele ouço as palavras mais bonitas que posso ouvir e, acredita meu filho, que ouço muitas palavras, muitos discursos.…...
O mundo dele é lindo, belo. Como gostava de viver o seu mundo….
Ontem dizia-me: “Sabes que  qdo crescer qro ser um pouquinho astronauta.Eu logo lhe disse:astronauta filho?Claro mamãe p mim ver o mundo lá de cima!
Fiquei desarmado. Sem capacidade dizer uma só palavra. O meu filho consegue deixar-me sem resposta, porque quando os sentimentos têm magia, a nossa resposta só pode ser…
Um sorriso.

Da mãe...

MINHA VÓ É ASSIM...

Definição de Avó...essa aí da foto é a vó do Pedrinho!


Artigo redigido por uma menina de 8 anos e publicado no Jornal Cartaxo a propósito do Dia dos Avós.

Uma Avó é uma mulher que não tem filhos, por isso gosta dos filhos dos outros.
As Avós não têm nada para fazer, é só estarem ali.
Quando nos levam a passear, andam devagar e não pisam as flores bonitas nem as lagartas.
Nunca dizem "Despacha-te!"
Normalmente são gordas, mas mesmo assim conseguem apertar-nos os sapatos.
Sabem sempre que a gente quer mais uma fatia de bolo ou uma fatia maior.
As Avós usam óculos e às vezes até conseguem tirar os dentes.
Quando nos contam histórias, nunca saltam bocados e nunca se importam de contar a mesma história várias vezes.
As Avós são as únicas pessoas grandes que têm sempre tempo.
Não são tão fracas como dizem, apesar de morreram mais vezes do que nós.
Toda a gente deve fazer o possível por ter uma Avó, principalmente se não tiver televisão.
O meu filho é a minha alegria, o meu grande amor, a minha felicidade.


Como dizia Pessoa: "Posso ter defeitos, viver ansiosa e ficar irritada algumas vezes, mas não esqueço que minha vida é a maior empresa do mundo, e que posso evitar que ela vá a falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo."
Ser feliz é tudo isto e muito mais. Ser feliz é nunca deixar de falar do meu filho....mais não seja, porque ele é a minha felicidade.

DA MÃE...

8 de mai de 2010

Anatomia das Mães | Um estudo sobre o INSTINTO MATERNO

Anatomia das mães, além do coração materno Aparentemente, as mães assemelham-se a qualquer outro ser do sexo feminino. Mas não é bem assim!…

                                                     
A partir do momento em que são mães, a maioria das mulheres começa a manifestar características únicas e muito especiais. Conheça aqui algumas…

Olhos                                                                                                                                                       Os olhos da mãe podem ser de qualquer cor e devem ser capazes de ver o que mais ninguém vê. Duma maneira geral, a expressão dos olhos deve ser suave e amistosa, mas deverá ter a capacidade de “soltar faíscas” nos momentos certos. Uma ferramenta tipicamente usada por todas as mães, independentemente da cultura de cada país, são os “olhos atrás das costas”.


Ouvidos
Os ouvidos das mães devem estar preparados para todas as eventualidades 24 horas por dia. Devem ser capazes de ouvir um bebé choramingar na outra ponta da casa ou de escutar os cochichos da filha adolescente com as amigas. Devem ainda ter potência suficiente para aguentar a música dos Patinhos ou a birra de uma criança que quer um brinquedo. No entanto, é importante que estejam mal sintonizadas para as más disposições dos filhos mais rebeldes.


Nariz
Ah, o nariz!… Capaz de cheirar uma fralda recheada a 50 metros! Até agora, não há provas de que a teoria do “maior é melhor” funcione neste caso. Algumas mães têm narizinhos muito pequeninos que parecem não funcionar, mas que na realidade conseguem “cheirar” quantos cigarros fumou o seu filho adolescente. Mas o nariz da mãe também tem sempre o prazer de cheirar os ramos de flores oferecidos pelos filhos.


Boca
Além da sua localização na entrada do aparelho digestivo, que permite que as mães estejam sempre bem alimentadas e saudáveis, a boca tem outras características muito importantes. Deve ser capaz de cantar uma suave canção de embalar sem sair do ritmo e de conversar durante horas a fio. Dela devem sair palavras meigas e bonitas e muitos conselhos. A única regra absoluta é que nunca, mas mesmo nunca deve ser usada para insultar, desmentir ou humilhar uma criança. A mãe até pode estar zangada, mas a agressão verbal é totalmente proíbida. Por outro lado, um requisito absolutamente obrigatório em qualquer boca de mãe é conseguir dar milhões de beijinhos aos seus filhotes e de, desta forma, curar qualquer dor, desde um arranhão a um desgosto amoroso.


Peito
A sua primeira tarefa em relação aos filhos é fornecer-lhes alimento e aí são verdadeiras máquinas de leite, independentemente do seu tamanho ou forma. Possuem ainda uma função aconchegante, o que faz com que todos os bebés adormeçam com facilidade no colo da mãe.



Barriga

Este é o primeiro lar de todas as crianças. Conhecida pelas suas características interiores bastante aconchegantes, a barriga da mãe continua a ter algumas utilidades mesmo depois do nascimento. Juntamente com o peito, é o lugar preferido dos mais pequenos para valentes sonecas.



Costas
Se bem que na sociedade ocidental não é assim tão comum, nalgumas culturas as costas da mãe são utilizadas como meio de transporte dos mais pequenos. No entanto, as barreiras culturais são ultrapassadas com a expressão “carregar o mundo às costas”, usada por todas as mães a nível universal.



Braços
Devem ser fortes para carregar os filhos ao colo, para transportar os sacos das fraldas e todo o tipo de tralhas. Todas as mães têm mil e um braços invisíveis que chegam a todo o lado e a todos os filhos ao mesmo tempo. De entre as suas inúmeras funções, são indispensáveis para adormecer uma criança e principalmente para dar xi-corações.



Mãos
Complementos importantíssimos localizados na extremidade dos braços. Servem para tudo e mais qualquer coisa. Uma das suas principais funções é fazerem festinhas sem se cansarem. Apesar de estar expressamente proíbida a sua utilização para fins violentos, são por vezes úteis na administração de uns leves açoites…



Coração
É, sem dúvida, o orgão mais importante de qualquer mãe. Apesar de não estar à vista (ainda bem!!) é o que tem mais manifestações exteriores. Quando combinado com os outros orgãos verificam-se resultados surpreendentes. Apresenta uma particularidade interessante: ainda que a sua dimensão seja relativamente reduzida, todos dizem que “o coração de uma mãe é do tamanho do Mundo”!

5 de mai de 2010

3 de mai de 2010

1 de mai de 2010

Um Pedro Lucas quase grande...

Eu sou criança. E vou crescer assim. Gosto de abraçar apertado, sentir alegria inteira, inventar mundos, inventar amores. Acho graça onde não há sentido. Acho lindo o que não é. O simples me faz rir, o complicado me aborrece. O mundo pra mim é grande, não entendo como moro em um planeta que gira sem parar, nem como funciona o fax. Verdade seja dita: entender, eu entendo. Mas não faz diferença, o mundo continua rodando, existe a tal gravidade, papéis entram e saem de máquinas, existem coisas que não precisam ser explicadas. (Pelo menos para mim).



O que importa é o que faz os meus olhos brilharem, o coração bater forte, o sorriso saltar da cara. Eu acho que as pessoas são sempre grandes e às vezes pequenas, igual brinquedo Playmobil. Enxergo o mundo sempre lindo e às vezes cinza, mas para isso existem o lápis-de-cor e o amor que a gente aprendeu em casa desde cedo. Lembra?


Tenho um coração maior do que eu, nunca sei minha altura, tenho o tamanho de um sonho. E o sonho escreve a minha vida que às vezes eu risco, rabisco, embolo e jogo debaixo da cama (pra descansar a alma e dormir sossegado).


Coragem eu tenho um monte. Mas medo eu tenho poucos. Tenho medo de filme de terror, tenho medo das pessoas más. Minha bagunça mora aqui dentro, pensamentos entram e saem, nunca sei aonde fui parar. Mas uma coisa eu digo: eu não páro. Perco o rumo, ralo o joelho, bato de frente com a cara na porta: sei aonde quero chegar, mesmo sem saber como. E vou. Sempre me pergunto quanto falta, se está perto, com que letra começa, se vai ter fim, se vai dar certo. Sempre pergunto se você está feliz, se eu estou linda, se eu vou ganhar estrelinha, se eu posso levar pra casa, se eu posso te levar pra mim, se o café ficou forte demais. Eu sou assim. Nada de meias-palavras. Já mudei, já aprendi, já fiquei de castigo, já levei ocorrência, já preguei chiclete no cabelo, mas palavra é igual oração: tem que ser inteira senão perde a força.


Sou menino levado, sou criança quase crescida. E mesmo pequeno, não deixo de crescer. Beijo escondido, faço bico, faço manha, tomo sorvete no pote, choro quando dói, choro quando não dói. E eu amo. Amo como criança. Amo com os olhos vidrados, amo com todas as letras. A-M-O. Amo e invento. Sem restrições. Sem medo. Sem frases cortadas. Sem censura. Sem pudor. Quer me entender? Não precisa. Quer me amar? Me dê um chocolate, um brinquedo novo, um brinde que você ganhou e não gostou, uma mentira bonita pra me fazer sonhar. Não importa. Criança não liga pra preço, não liga pra laço de fita e cartão de relevo. Criança gosta de beijo, abraço e surpresa!